Translate

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Vivam, enquanto é tempo!

A primeira publicação que li hoje no grupo que criei, é de uma mulher com cancro que, em vez de estar a viver o seu problema, que já não tem uma solução romântica, um desfecho que para mim seria o feliz - viver, preferiu centrar-se na solução.
Sim! Se para muitos de nós a solução para os nossos "problemas" da vida parece impossível de existir, para esta mulher não é só a morte que não tem solução. Para ela, até a morte tem solução!
Apresentou-a aos outros membros do grupo. A esses que, muitas vezes, tal como eu, queixam-se da gordura do corpo tanto como da gordura da vida!
Sabem qual é a solução? Viver sem "ses", viver, sentir...
Guardamos palavras e adiamos vivências para não magoar, para não "arranjar problemas". É sempre assim, não é? No emprego, em casa, com os amigos… cala-se a voz “para não arranjar problemas” mas só se consegue calar a voz… o resto permanece aos gritos!
Na verdade, estamos é a adiar viver. Vivemos em função dos outros, em função dos nossos pensamentos sobre os pensamentos e sentimentos dos outros, como se isso fosse algo previsível…
Mantemos relações condenadas, fugimos e desfazemos outras com tanto para dar, por falta de visão e paciência e sobretudo por MEDO!
Como andamos descontroladamente a farejar o que “temos” de fazer porque é “o certo”, sem parar para observar, para simplesmente sentir - a VIDA encarrega-se de o fazer, por nós, À FORÇA! Coloca-nos do avesso, atingi-nos nos pontos nevrálgicos para ver se abrimos os olhos!
São presentes FANTÁSTICOS que a vida nos dá! Podemos considerar "mau" ou "bom", "sorte" ou "azar" aquilo que nos acontece e continuar às voltas nos mesmos ciclos - como se tudo fossem coincidências… ou não!
Façamos a nossa parte, no momento em que estamos e com os meios que existem.
Não no futuro, que não sabemos se chega. Não com as condições que consideramos ideais, porque provavelmente nunca existirão.
Na maioria das vezes, o que nos impede de dar um passo no presente é o futuro. Como vai ser? E se não der certo? Mas uma característica incontornável da vida é a sua impermanência. A sua incerteza. Nada hoje é como foi ontem!
Podemos escolher se vivemos a vida imersos na artificialidade, na dependência, na ilusão da segurança ou se fazemos algo para lhe devolver naturalidade, interdependência, sentimento de estar vivo…
A nossa genuinidade e o nosso exemplo são os ÚNICOS e os VERDADEIROS impulsionadores da nossa felicidade e da de quem nos rodeia – como é o caso dos nossos filhos! Gostavas que eles vivessem a vida como estás a viver ou aconselhavas que fizessem como gostavas de fazer e falta-te a coragem? Pois... Dá o exemplo!
SER e FAZER ACONTECER... não parecer e querer que aconteça!
Enquanto não soubermos verdadeiramente o que queremos - porque estamos limitados ao que nos parece possível ou impossível - teremos à nossa volta o resultado dessa "indecisão" e em todas as áreas da nossa vida! Somos sistémicos, uma acção aqui contamina tudo ali e acolá!
Vontade, inteligência e coragem são características presentes em todos nós, mas a maioria acha que determinadas coisas só estão ao alcance de seres especiais, com condições especiais a nível financeiro, por exemplo.
Se todos os dias acordarmos e nos esquecermos de sermos quem somos, independentemente de vermos o Sol ou não, continuaremos a viver nos ciclos de que mais nos queremos livrar - ou apenas queixar (pois!)...
Eu hoje escolho ser EU e não aquilo que o que vejo à minha volta me levou a ser!
Tudo nos pode chegar na medida exacta. É só ir decidindo - entre o que se sente e o que se pensa - e é neste discernimento que a magia reside!
Onde estás porque realmente queres?
"O medo de ser livre provoca o orgulho de ser escravo”!
VIVE e deixa VIVER, porra!

E eu que só queria um casalinho...
A Mãe dos Quatro!
#eeuquesoqueriaumcasalinho
#amaedosquatro

Sem comentários:

Enviar um comentário