Translate

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Dasssss

Conhecem alguém que não precise de férias do seu emprego?
Que nunca lhe tenha apetecido estar dias e dias sem fazer absolutamente nada que esteja relacionado com a sua função?
Conhecem alguém que nunca tenha passado por períodos de descontentamento com a profissão que escolheu? Com sentimento de vazio, de tédio, de necessidade de isolamento, perturbações de memória, variações do humor, receio, pessimismo, falta de energia, descontrolo, tristeza, ansiedade, preocupação excessiva com pormenores, com a saúde, sentimentos de culpa, baixa auto-estima, perturbações do sono, fome exagerada ou perda drástica do apetite, dificuldade de concentração, não se sentir à altura ou sentir que não é valorizada… Quem nunca?!
É isso que faz da pessoa uma incompetente?!
Então porque é que uma mãe não pode sentir isto sem que a acusem de ser má mãe? Sem ter de ouvir: “Não os tivesses!”, sem acharem que não gosta dos filhos, sem lhe dizerem que os seus sentimentos “passam todos para os filhos, que não têm culpa nenhuma!”.
A mãe sabe disso! Já se sente suficientemente uma nódoa, por isso e por muito mais, não precisa dessa chamada de atenção.
Conhecem alguma mãe, daquelas sem ajudas, sem um apoio significativo, - nem sequer por parte de quem fez a criancinha, que se escuda no facto de trabalhar fora de casa e chegar cansado – que não tenha fases de gritos, de cansaço mental extremo, de vontade de fugir por dois dias? Conhecem?!
Conhecem alguém perfeito?!Eu não! Mas temos gente à nossa volta que acha que existem seres divinos e que não somos um deles!
Essas pessoas, para além de condenar, contribuem para o quê? Ajudam no quê? Se nem capacidade têm para compreender, como é que tem capacidade para opinar? Como se pode dar valor a essa opinião? Não pode! #CagariCagaró
Sabem que mais? Existem duas soluções para lidar com essas pessoas:
1ª Mandar à merda;
2ª À merda mandar!
E eu que só queria um casalinho...
A Mãe dos Quatro!
#eeuquesoqueriaumcasalinho
#amaedosquatro

Sem comentários:

Enviar um comentário