Translate

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Cólicas?!

Na sequência do elevado número de mensagens privadas que recebo acerca
deste assunto, resolvi pedir uma resposta à minha profissional de serviço!
Aqui fica a perspectiva, super interessante, da nossa Osteopata
- Dra. Susana Wilton Piegas que, para além da explicação científica
“da coisa”, deixa-vos a forma que tem de ajudar os vossos bebés.
Muito obrigada, Dra.!
“Quantos pais conhecem que viveram os primeiros meses de vida do bebé
atormentados e com poucas horas de descanso porque o seu bebé chorava
com muita frequência, ininterruptamente por largos períodos, sem causa aparente?
É transmitido que, ultrapassada a fase dos primeiros 3 meses de vida, as “cólicas”
vão ser superadas ou que, acrescentando um ou outro probiótico, o intestino
vai acalmar, resolvendo o desconforto que tanto atormenta o bebé. Se para alguns isto corresponde à verdade, para outros, não.
De acordo com a abordagem osteopática, a origem do desconforto mencionado
está ligada, na generalidade dos casos, a bloqueios na base do crânio, que
alteram o normal funcionamento de 3 importantes nervos cranianos:
nervo glossofaríngeo, nervo vago e nervo acessório.
O nervo vago é o grande responsável pela inervação parassimpática de muitos órgãos
e vísceras presentes na caixa toráxica e abdominal (como por exemplo pelo
movimento dos intestinos ou peristaltismointestinal) e que, quando afectado,
pode produzir sintomas em qualquer um deles. Estas alterações nos recém-nascidos,
na maioria dos casos, surgem pelo mau posicionamento do bebé in utero nas
semanas que antecedem o parto ou mesmo no momento do parto. Quando não
existe um “encaixe” perfeito da cabeça do bebé em relação à pélvis da mãe,
surgem tensões e modificações da forma do crânio, que podem levar à
compressão do nervo vago.
Estas lesões podem ser discretas e subtis, só reconhecidas pelas mãos treinadas
do osteopata, mas também podem ser severas e perceptíveis pela simples
observação da criança.
O osteopata infantil utiliza técnicas muito suaves e promotoras de conforto,
desbloqueia e “desprograma” esses desarranjos estruturais, permitindo o bom funcionamento das estruturas implicadas no processo, com o consequente alívio
das “cólicas”.”
Artigo escrito pela Dra. Susana Wilton Piegas, enfermeira do Serviço de
Neonatologia do Hospital do SAMS e pós-graduada em Osteopatia Infantil.
Dúvidas? Mandem mensagem para a sua página, a Dra. é super disponível
e atenciosa: Osteopatia Infantil Susana Wilton Piegas
E eu que só queria um casalinho...
A Mãe dos Quatro!

Sem comentários:

Enviar um comentário