Translate

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

A Carrancuda Sorridente...

#hadiasassim #todostemosumahistoria
Por cá...
Entra uma senhora no autocarro, interrompo a conversa animada que ia a ter com o motorista.
A senhora, com uns 60 anos, rosto cerrado e cavado pela magreza, entra a resmungar com o suposto atraso do autocarro. Culpa um colega do motorista, olha de lado para um rapaz que ao tentar entrar a empurra, nitidamente sem intenção e que lhe pede desculpa de imediato.
Troco um olhar cúmplice com o motorista à medida que ela se senta aomeu lado.
Fico com uma vontade tremenda de lhe dizer umas quantas coisas... Algo me deteve, o olhar dela talvez, não sei...
Duas paragens à frente entra outra senhora, a carrancuda pela primeira vez muda as feições, sorri...
A senhora dá-lhe um beijo e pergunta o que faz ela aqui... Mas, antes de deixar a carrancuda responder pergunta-lhe pelo irmão. A carrancuda diz que morreu...
Parece que morreu de cancro nos intestinos no mês passado, "ninguém precisa de sofrer tanto para morrer", diz ela...
A senhora pergunta agora à carrancuda se não foi a sua mãe que também tinha tido um cancro. Ela responde que sim...
Parece que foi da mama... Morreu no ano passado, no mesmo ano que lhe morreu outro irmão... de cancro na próstata.
Desta vez é a carrancuda a interrogar a senhora: "será que eu e a única irmã que me resta teremos o mesmo fim?".
A senhora, calma e sem mudar a expressão, responde: "diz que é hereditário"...
A carrancuda baixa o olhar, afaga a mala que trazia ao colo e responde finalmente à primeira pergunta da senhora...
O que faz ela aqui?
Parece que cuida do afilhado de 3 anos. Está com ele durante toda a semana porque a família não tem possibilidades sequer de o alimentar. O menino só vê os pais aos fins de semana.
São de um local com muitos Jardins-de-Infância, mas a mãe sonhava que o filho andasse no Jardim-de-Infância que ela frequentou. Fica a 30 km de casa...
A carrancuda não se importa de todas as manhãs ir levar o menino e trazê-lo ao fim da tarde... "Apanho 3 tipos de transportes públicos, o meu menino adora!" conta a carrancuda, e não é que voltou a sorrir?!
Entretanto, chega o meu destino e chega também aquela que provavelmente seria a última oportunidade que eu teria para dizer umas quantas à carrancuda...
Não consegui, as lágrimas não deixaram...
Volto a trocar um olhar cúmplice com o motorista...
Pisca-me o olho, viu as minhas lágrimas...
Gosto muito de pessoas... E hei-de arranjar forma de o dizer à carrancuda! <3 #temosdevercomocoracao #oessencialeinvisivelaosolhos
E eu que só queria um casalinho...
A Mãe dos Quatro!

Sem comentários:

Enviar um comentário